Conheça as nove plataformas que vão ampliar a produção de petróleo no Brasil

Data: 21/04/2013
Fonte: Petrobras Fatos e Dados

Conheça melhor as nove plataformas concluídas em 2013 pela Petrobras:

1) P-58

Do tipo FPSO, a P-58 entrou em operação em março de 2014. Instalada a cerca de 85 km da costa do Espírito Santo, em águas com profundidade de 1.400 metros, tem capacidade para processar por dia até 180 mil barris de petróleo e 6 milhões de m3 de gás natural, dos reservatórios do pré-sal e pós-sal.
Confira o processo de construção da P-58.

2) P-55

Do tipo semissubmersível, a P-55 é a maior plataforma desse tipo no Brasil. Entrou em produção no final de 2013, no Campo de Roncador (Bacia de Campos), ancorada a uma profundidade de cerca de 1.800 metros. Tem capacidade diária para processar 180 mil barris de petróleo e comprimir 4 milhões de m³ de gás natural.
Conheça como foi a montagem da P-55.

3) P-63

Unidade do tipo FPSO, a P-63 entrou em produção em novembro de 2013. Tem capacidade para processar, diariamente, 140 mil barris de petróleo e 1 milhão de m³ de gás e de injetar 340 mil barris de água. A P-63 compõe o primeiro sistema de produção de Papa-Terra (Bacia de Campos), que conta também com a P-61 e a SS-88 TAD.
Veja mais detalhes sobre a P-63.

4) FPSO Cidade de Paraty

O FPSO Cidade de Paraty entrou em produção no pré-sal da Bacia de Santos (área de Lula Nordeste) em junho de 2013, ancorada em profundidade de 2.120 metros, a cerca de 300 km da costa. Tem capacidade de processar diariamente 120 mil barris e comprimir 5 milhões de m³ de gás natural.

5) FPSO Cidade de Itajaí

O FPSO Cidade de Itajaí entrou em produção em fevereiro de 2013, no pós-sal da Bacia de Santos (Campo de Baúna e Piracicaba), a 210 km da costa. Tem capacidade para processar até 80 mil barris de petróleo leve e 2 milhões de m3 de gás por dia.

6) FPSO Cidade de São Paulo

O FPSO Cidade de São Paulo entrou em produção em janeiro de 2013, no pré-sal da Bacia de Santos (Campo de Sapinhoá). Tem capacidade para processar 120 mil barris de petróleo e 5 milhões de m3 de gás por dia.

7) P-61

Primeira plataforma do tipo TLWP (Tension Leg Wellhead Plataform) a ser construída e a operar no Brasil, a P-61 atuará no campo de Papa-Terra (Bacia de Campos) em conjunto com a P-63. Juntas, as unidades têm capacidade para produzir 140 mil barris de petróleo por dia. A previsão é que entre em produção no segundo semestre de 2014.

8) P-62

Instalada a cerca de 125 km da costa, na Bacia de Campos, em águas com profundidade de 1.600 metros, essa plataforma do tipo FPSO deve entrar em produção no primeiro semestre de 2014. Tem capacidade para processar por dia até 180 mil barris de petróleo e 6 milhões de m3 de gás natural dos reservatórios do pós-sal.
Confira o processo de construção e montagem da P-62.

9) SS-88 TAD

A unidade semissubmersível SS-88 TAD (Tender Assisted Drilling) será ancorada ao lado da P-61, no campo de Papa-Terra (Bacia de Campos), para dar suporte de energia, acomodações, armazenamento de fluido de perfuração e sistemas de apoio.

Fotos:

1) Steferson Faria / Petrobras; 2) Alexandre Brum / Petrobras; 3) Steferson Faria / Petrobras; 4) Steferson Faria / Petrobras; 5) Steferson Faria / Petrobras; 6) Steferson Faria / Petrobras; 7) Thelma Vidales / Petrobras; 8) Thaisa Juliana Dias Campos / Petrobras e 9) Petrobras.

 

  • Leo

    Juan, fazendo engenharia de petróleo na UENF você esta habilitado pelo MEC a trabalhar c como engenheiro químico, engenheiro mecânico e e se nao me engano como engenheiro de minas.. Além de engenheiro de petróleo.

  • Juan Barroco

    Olá, moro em Campos dos Goytacazes e curso engenharia de petróleo na UENF. Gostaria de saber se é melhor mudar para engenharia química e fazer uma especialização em petróleo depois..

  • Já estou me preparando.

  • Louback

    Será que isso irá se transformar em concurso ainda esse ano???