Petrobras terá de abrir vagas

Data: 3/10/2012
Fonte: O Dia

TCU ordena susbstituição de terceirizados em áreas-fim por aprovados em concursos

Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) aponta que 57 mil trabalhadores indevidamente terceirizados da Petrobras deveriam ser substituídos atualmente por meio de concurso público. O levantamento indicou que a empresa tem 127 mil trabalhadores que atuam em terceirizações regulares e irregulares.

De acordo com determinação do TCU, 130 empresas públicas da administração indireta, sociedades de economia mista e subsidiárias têm um prazo limite até 30 de novembro para enviar ao Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (DEST), do Ministério do Planejamento, plano detalhado de substituição de terceirizados irregulares por meio de concurso público.

Caberá ao ministério repassar ao tribunal o plano consolidado até 28 de fevereiro de 2013. Caso os planos não sejam apresentados até a data, as estatais estarão sujeitas a multas. Equipe de auditoria do TCU identificou no BNDES funções gratificadas sendo desempenhadas por pessoas estranhas aos quadros da empresa e não vinculadas a órgão ou entidade da administração pública.

O Tribunal de Contas quer identificar quantos trabalhadores exercem atividades integrantes, em princípio, do escopo finalístico das entidades públicas. Para isso, as estatais também deverão identificar claramente as atividades de meio e de fim.

A substituição deverá ocorrer no prazo de quatro anos, para todos os terceirizados que estejam exercendo atividade-fim por empregados aprovados em concurso público, em taxa de 25% ao ano, para não prejudicar os trabalhos das empresas.
Além de enviar plano de substituição, as empresas deverão reavaliar os seus planos de cargos e salários em três meses. As estatais também vão revisar os contratos de terceirização em execução, que deverão apresentar informações de acordo com a natureza (conservação, limpeza, segurança, informática, assessoramento, consultoria, e outras). Os que forem considerados irregulares, também deverão propor cronograma para o preenchimento das vagas por concursados e os impactos financeiros.

  • Elyvelton Arthur

    Olá, Eu estudo numa instituição federal, o IFPB. Estou no 2° ano do ensino médio comecei a ter aulas sobre petróleo e gás e achei o assunto não difícil mais muito extenso e complicado, creio eu que nem tudo que vou aprender vou ter que usar mais sempre presto atenção pois é uma área da qual me interesso muito, muito bem gostaria de saber com que frequência ocorre concursos da área da Engenharia, o nível de dificuldade dos teste, salario, tempo de trabalho… de qualquer forma quero saber de tudo isso pois ainda sou novo posso também escolher outro caminho se esta área realmente não me interessar.
    Desde já, Agradeço!

  • PETRONIO ALEIXO DA SILVA

    QUANDO FOR ABRI CONCURSO QUERO PARTICIPAR, SOU TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA, PETRIJP@HOTMAIL.COM.

  • Leomoncks

     FALA SEU SUMIDO COMO ESTA? É O LEO QUE ESTUDOU COM VC. CONCORDO TB

      ABRAÇO E FIQUE COM DEUS.

  • Marcelle Moreira

    Maximo sou aluno do ginásio, e pretendo seguir esse caminho quando me formar no 2 grau, mas não tenho certeza. Peço a você que me ajude falando sobre a matéria e sobre o que eu irei estudar se fizer engenharia do petróleo. Marcelle Moreira 

  • Marcelle Moreira

    Antonio Carlos eu sou aluna do 8 ano (7 série) em minha escola! Pretendo quando me formar no 2 grau fazer engenharia do petróleo. Mas para ter certeza verdadeiramente  do que eu quero, peço a você que me ajude e fale um pouco mais sobre a matéria que você está estudando em sua faculdade! Quero saber mas sobre essa profissão. Por favor me responda. Marcelle Moreira

  • Tavares-junior

    olá, boa tarde… sou aluno de engenharia de petroleo e gostaria de saber se estou no caminho certo… em respeito à salario, aposentadoria, qualidade de vida… agradeço a compreensão.  antonio carlos jr.

  • Maximo Alexandre

    CONCORDOOO .. Quando será aberta esta oportunidade? Sou Engenheiro de Petróleo e vou fazer este concurso, tem previsão? Maximo Alexandre – maximo.alexandre@yahoo.com.br